NOSSAS AÇÕES

SEGURANÇA DE VOO

  • Ingresso no Comitê Nacional de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CNPAA), do Cenipa, obtido por meio de votação unânime, realizada em maio de 2012, durante Assembleia do CNPAA;
    .
  • Ampla atuação junto ao Congresso Nacional buscando a implantação do FRMS e de outras ferramentas de mitigação da fadiga humana;
  • Apoio à criação de comissão externa do Congresso Nacional para avaliar as condições de segurança de voo no país, em fevereiro de 2013;
    .
  • Atuação incessante junto a autoridades municipais, estaduais e federais no tocante à proibição e fiscalização da soltura de balões e do uso do laser verde contra aeronaves.
  • Requerimento junto aos órgãos governamentais de providências quanto a potenciais ameaças à segurança relatadas por pilotos, sobretudo nas questões de pistas de pouso em más condições.
  • Realização de pesquisa científica para apurar o impacto da fadiga nos pilotos da aviação civil, em parceria com o Grupo Multidisciplinar de Ritmos Biológicos da USP-ZL;
  • Realização de eventos como “I Simpósio ABRAPAC de Segurança de Voo” (dez/2011) e o encontro “A Valorização do Aeronauta e os Caminhos para Possíveis Mudanças na Regulamentação” (mar/2012) para discutir questões de grande interesse e relevância para classe;
  • Estreitamento de relações com as mais respeitadas entidades da aviação civil, como a IFALPA, IATA e ICAO, participando de encontros e congressos promovidos pelas mesmas, com intuito de manter seus associados sempre bem informados acerca das novas tendências mundiais;

CONDIÇÕES DE TRABALHO

  • Diálogo permanente com autoridades parlamentares, inclusive, com participação em audiências públicas da Subcomissão Temporária sobre a Aviação Civil e acompanhamento de matérias de interesse em trâmite nas casas legislativas (PLS 434/2011 e PL4824/2012, entre outros);
  • Atuação direta junto a congressistas em dezembro de 2012 no sentido de evitar a aprovação de lei que aumenta a carga horária dos aeronautas e abre o mercado a estrangeiros.
  • Defesa dos interesses dos pilotos em questões relativas ao Exame de Proficiência Linguística, o que inclui reunião com a ANAC, envio de ofícios à Agência contestando resoluções prejudiciais aos pilotos, apoio e prestação de esclarecimentos a associados alvejados pela decisão da não covalidação, estudo de possíveis soluções para o problema etc.;
  • Adoção de medidas (notificação extrajudicial, negociações com as autoridades competentes etc.) que ajudaram a reverter algumas das resoluções da INFRAERO em relação aos estacionamentos que a empresa administra em aeroportos. Tais resoluções vinham afetando os pilotos tanto financeiramente como profissionalmente;

SUSTENTABILIDADE

  • Alinhamento com questões sustentáveis da aviação, apoiando iniciativas como o Programa Nacional de Gerenciamento de Carbono para Empresas Aéreas (Greenliners), que tem entre seus objetivos capacitar pilotos para fazer o gerenciamento de seus voos e, assim, reduzir os níveis de CO2 liberados por aeronaves na atmosfera;

VANTAGENS E BENFÍCIOS

  • Criação do Auxílio Mútuo ABRAPAC – A.M.A.;
  • Estabelecimento de mais de 30 convênios com diversas empresas – de escolas de inglês a estacionamentos – visando conferir vantagens aos pilotos.
    .
  • Convênio com a instituição inglesa Mayflower para aplicação de testes de proficiência em inglês na sede em São Paulo.
    .
  • Intermediação junto a Cenipa e outras instituições visando garantir vagas para associados em cursos oferecidos por esses órgãos.