SETE ANOS DE ABRAPAC: MENSAGEM DO PRESIDENTE

No dia 8 de março de 2011, um pequeno grupo de pilotos de linha aérea fundou a ABRAPAC, com o objetivo de representar todos os aviadores civis brasileiros nas mais diversas questões. Foi uma iniciativa corajosa e hercúlea, que demandou diversos encontros, muito estudo e trabalho.

Desta feita, e através da nossa união, hoje somos fortes. Muitos benefícios ocorreram para a aviação civil brasileira desde então: estudo da fadiga humana, uma nova lei do aeronauta, combate ao perigo baloeiro, aproximação com as diversas entidades do setor, entre outros.

Há muito por fazer ainda. Para tanto, gostaria de citar uma iniciativa nos moldes da nossa história, que muito tem nos orgulhado e que renova a inspiração. Na manhã do dia 7 do presente mês, um dia antes do aniversário de sete anos da Associação, ocorreu mais um encontro da recém-formada comissão de pilotos da aviação geral e executiva, com o apoio da ABRAPAC.

A comissão surgiu do próprio grupo de aviadores, preocupados com algumas mudanças provenientes da nova Lei do Aeronauta e seus impactos para a aviação executiva. Uma iniciativa organizada pelos comandantes José Claudio Torresan, Renato Mottola, Daniel Poit Filho, Diogo Ribeiro, André Danita e Emerson Macedo.

Já no primeiro encontro, que reuniu cerca de 20 pessoas, nos foram apresentados os desafios em questão, trazendo demandas de interesse tanto de aviadores quanto de empregadores – postura essa madura e altruísta, visto não existir um sem o outro.

Formou-se então um grupo de trabalho composto por diversos aviadores voluntários, além de membros do staff da ABRAPAC – mais precisamente por Alfredo Menquini, gestor de segurança da associação, e pela Dra. Priscila Dower Mendizabal, advogada da entidade e presidente da Comissão de Direito Aeronáutico da OAB-SP, com total suporte do corpo diretivo da associação.

Reunião de pilotos da geral e executiva na ABRAPAC em fevereiro

A Nova Lei do Aeronauta e, mais recentemente, o RBAC 117 (o chamado “RBAC da Fadiga”) foram iniciativas preponderantemente de aeronautas de linha aérea. Pela baixa participação de representantes da aviação geral, acabaram por deixar de fora alguns conceitos que impactam agora diretamente este setor. Uma lição a ser aprendida por todos nós: “Quem não é visto não é lembrado”.

É necessário que sejamos engajados e participativos em todos os assuntos que envolvem a nossa profissão. A ABRAPAC representa todos os pilotos civis brasileiros, dos mais variados setores.  Entretanto, muitos são os detalhes de cada ramo específico da aviação civil. Se não houver o envolvimento direto dos interessados, o trabalho fica muito mais complexo e sujeito a falhas.

Apesar da situação desfavorável, este novo grupo, a exemplo da história da ABRAPAC, e em atitude nobre e corajosa, reúne-se por iniciativa própria e de forma voluntária para o bem comum. Agora, entretanto, com um diferencial: há uma entidade que nos representa. Uma entidade muito bem estabelecida, com estrutura física e o mais competente staff. A ABRAPAC detém respeito suficiente para embasar as mais diferentes demandas.

Grupos de estudo e trabalho e demais iniciativas poderão contar com todo o apoio da associação. Quando se somam iniciativa, vontade e trabalho, em uma estrutura organizada e transparente como a ABRAPAC, o sucesso é certo.

Este novo grupo é inspirador, pois não terceirizou a busca por soluções. Ao contrário, envolveu-se com profundidade na questão e trabalha diretamente pela solução. Utiliza a ABRAPAC da forma como deve ser: como ferramenta, como meio e como fim.

O caminho é longo, mas, com a dedicação necessária e o apoio institucional da ABRAPAC, o resultado satisfatório ocorrerá.

Reunião de pilotos da aviação executiva em 07/3

Assim, gostaria de parabenizar a comissão de pilotos da aviação geral e executiva por representar os princípios mais básicos da nossa associação: a união sem egos e pelo bem comum. Muito obrigado por abrilhantarem o aniversário da ABRAPAC com este nobre exemplo!

Somos uma associação sem fins lucrativos, criada e gerida por voluntários, que se utilizam de seu tempo de descanso e lazer para o trabalho altruísta e para deixar um legado para a profissão que escolhemos, profissão, esta, de elite e de grande importância ao desenvolvimento da sociedade brasileira.

Quando nos unimos e trabalhamos em conjunto, os resultados acontecem.  Por isso, convido-os a seguirem este exemplo. A nos procurar com ideias e demandas, participando conosco nas diversas causas e formando novos grupos de trabalho e discussão.

A ABRAPAC é uma grande família. Quanto mais pessoas estiverem envolvidas em todas as frentes de trabalho, cada um com o seu conhecimento e expertise, utilizando-se da nossa estrutura e representatividade, mais fortes seremos.

Para encerrar, quero salientar que o trabalho da ABRAPAC busca a melhoria da qualidade de vida dos aviadores, o desenvolvimento profissional, o aumento da segurança de voo, e por consequência, uma maior eficiência do sistema de aviação brasileiro. É de extrema importância o bom relacionamento e o trabalho conjunto entre as diversas entidades e empresas, além da mídia e dos órgãos governamentais. Nossos esforços buscam as melhores soluções para todos.

Juntos, nós somos a ABRAPAC, portanto, comemoremos! Feliz aniversário ABRAPAC!

 

 

Aldo Bien
Presidente da ABRAPAC