HISTÓRIA DA AVIAÇÃO NO BRASIL – PARTE 22

Por: Cmte. Pedro Canabarro
Clique aqui para ver as outras partes

 A Nordeste foi mais uma empresa que surgiu impulsionada pelo projeto SITAR. Procurando aproveitar o incentivo governamental para o setor da aviação regional, a Transbrasil juntamente com a VOTEC e o Governo do Estado da Bahia fundou a Nordeste Linhas Aéreas em novembro de 1975.  A empresa começou a operar naquele mesmo mês, com 5 aeronaves EMB 110 Bandeirante. A Nordeste ligava Salvador a São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Espírito Santo e ao estado de Minas Gerais. A empresa chegou a contar com 11 aeronaves EMB 110 Bandeirante até os anos 1980.

   Como já falamos por aqui, o projeto SITAR que foi desenvolvido pelo governo federal juntamente com as empresas aéreas nacionais, previa a divisão do país em cinco áreas de exploração e a criação de empresas para explorar sem concorrência cada uma destas áreas. Em 1984 um empresário mineiro, Otto Augusto de Lima, solicitou ao governo a criação de uma nova empresa regional no Estado de Minas Gerais. As empresas regionais vetaram a criação de uma nova empresa, assim como o DAC. 

  Vencido pela reserva de mercado existente, o empresário não desistiu e tentou assumir o controle acionário da empresa. Inicialmente comprou o terço que estava em posse da VOTEC e em seguida o terço da Transbrasil. No entanto, o dono do terço restante, o Governo do Estado da Bahia, embargou judicialmente as compras das ações relativas a Transbrasil.

Somente no fim de 1984 que Otto Lima finalmente conseguiu ter posse das ações da Transbrasil, assumindo o controle da Nordeste. A disputa continuou nos tribunais até que em 1985 o Governo do Estado desapropriou os bens da Nordeste, entre eles nove aviões  Bandeirante, que ao fim reduziram para o número de sete, após várias outras ações judiciais de Otto Lima. 

O Governo Federal resolveu desapropriar as ações da concessionária do serviço público Nordeste e decretou uma intervenção federal da empresa em 1986. Além dos problemas jurídicos e administrativos a Nordeste enfrentava uma série de acidentes e incidentes que afetaram sua imagem.

  A história após a intervenção torna-se um tanto confusa e nebulosa, como muitas outras ocorridas no setor aeronáutico, e carece muito mais pesquisa para que se possa determinar com razoável noção do que realmente aconteceu. Podemos afirmar que em 1988 a Nordeste passou da intervenção federal para o controle do grupo Coelho, pertencente à família do então vice-governador baiano Nilo Coelho.

Na mão do grupo Coelho, a Nordeste operou até 1995, com uma frota de 10 EMB Bandeirantes e 3 EMB 120 Brasília, tendo um movimento significante em rotas no nordeste e centro oeste brasileiro. O grupo VARIG assumiu a empresa em 1995 até 2005, tendo em sua frota Jatos e Turbos hélices e  transportando mais de 1.200000 passageiros em 2002. Já em 2003, a Nordeste linhas aéreas foi incorporada a VARIG e acabou afundando juntamente com todo o grupo em 2006.

VOTEC – Voos Técnicos e Executivos     

            A VOTEC surgiu como linhas aéreas regionais no rastro do projeto governamental SITAR, em 1976.  A empresa já existia desde 1967 como Táxi aéreo atuando com helicópteros e um avião monomotor de propriedade de Claudio Hoelck, um dos fundadores e sócio da antiga Nacional. Com a compra de outra empresa de Táxi aéreo em Belém, Hoelck fundou a VOTEC Amazônia e começou a prestar serviço para a Petrobrás para prospecção de petróleo. Esse foi o grande salto da empresa, que em pouco tempo se tornou a maior operadora de helicópteros no país.  

            Em 1976 se tornou a VOTEC Serviços Aéreos, com um capital de 100 milhões de cruzeiros e iniciou sua operação com duas aeronaves EMB 110 Bandeirante. A empresa atendeu cidades no Pará, Maranhão, Goiás, Distrito Federal e Minas Gerais partindo do Rio de Janeiro. Servindo 28 cidades além das capitais destes Estados, e sendo parte da rede postal noturna dos Correios. A empresa chegou a contar com uma frota de 32 helicópteros que prestavam serviços à Petrobrás a partir de Macaé, e 26 aviões nas linhas regionais. Havia incorporado 3 Fokkers F 27 em 1982, além de contar com 10 EMB 110, 5 DC-3 e 11 Islander

Imagem relacionada
FOKKER 50

            Em 1983, o grupo financeiro a qual pertencia a VOTEC enfrentava sérias dificuldades financeiras e o reflexo já se fazia sentir na VOTEC.  Denúncias de rebaixamento salarial e falta de recolhimento de impostos eram frequentes, a qualidade da manutenção e da operação na linha havia caído notadamente.   

Resultado de imagem para EMB 110
EMB 110
Resultado de imagem para DC-3
DC-3

Numa tentativa de sair da crise a VOTEC se associou com a TAM que vinha num crescente financeiro. Porém resultou apenas na saída da VOTEC das linhas regionais que ficariam com a TAM e deixando um prejuízo a VOTEC de 41 bilhões de cruzeiros. Desta associação surgiu a Brasil Central Linhas Aéreas Regionais cujo único dono seria Rolim Amaro, o dono da TAM.

    A VOTEC Taxi Aéreo Operou até 1997 praticamente servindo só um cliente, a Petrobras. Se em seu início as operações financeiras e administrativas pareciam ter sido claras, ao seu fim as coisas se tornaram cada vez mais nebulosas.  A Venda de suas linhas regionais para a TAM carece de maiores pesquisas, assim como sua falência. Existem processos, inclusive do Tribunal de Contas da União que denunciam o desaparecimento de 3 helicópteros da VOTEC do RAB.

 RIO SUL:  Serviços Aéreos Regionais

       A Rio Sul é mais uma filha do projeto SITAR. Feita para ficar com a parte sul numa associação da VARIG com a Top Táxi Aéreo, Sul America Seguros e Atlântica-Boa Vista. Iniciou suas operações em 1977, na rota diária Rio de Janeiro para Campos e Rio de Janeiro para São José dos Campos. Naquele mesmo ano iniciou também a operação para diversas cidades no interior gaúcho, e posteriormente ligações em Santa Catarina e Paraná. Em pouco tempo a Rio Sul já ligava mais de 27 cidades ligando o Rio de Janeiro até o extremo sul do Brasil. Em 1980 a Sul America Seguros vendeu sua parte na empresa para a VARIG e em 1982 chegam os primeiros Fokker F 27.

            Com o crescimento a passos largos da TAM , a VARIG resolve tentar barrar o crescimento da Rival através da Rio Sul e assim começou uma série de investimentos na empresa, como a chegada dos EMB 120 Brasília, sendo a primeira empresa no Brasil a operar o tipo. Em 1992 chegam os Fokker 50 e os jatos B 737-500.  Em 1995, a Rio Sul através da VARIG, comprou a Nordeste e em 1997 a Rio Sul lançou no mercado os ERJ 145 da Embraer.

Resultado de imagem para ERJ 145
ERJ 145
Resultado de imagem para Fokker 50
Fokker 50

 Essa escolha da VARIG em desenvolver a Rio Sul acabou provocando descontentamento e conflitos internos no grupo de funcionários da VARIG, algo que contribuiu para o fim da empresa. Boa parte dos recursos financeiros da VARIG eram direcionados para a Rio Sul, que ainda usava toda a infraestrutura da VARIG sem contrapartida nenhuma para ela.

Dessa forma os anos 2000 tiveram início com a Rio Sul em alta e a VARIG em baixa, até que em 2002 a VARIG foi incorporada a Rio Sul e desapareceu com ela em 2006.